Basic Education Chamber of the CNE (1996-2002): advisers and political-educational culture

  • Heitor Lopes Negreiros Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, Espírito Santo, Brasil
  • Eliza Bartolozzi Ferreira Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, Espírito Santo, Brasil
  • Wagner Santos Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, Espírito Santo, Brasil
Palavras-chave: CNE.Education. Political Culture.

Resumo

It analyzes the constitution of a political-educational culture, which had its bases in the 1990s, with a focus on intellectuals from the Basic Education Chamber of the National Education Council (1996-2002). The concerns for this study arose from the analysis of the debate on the recent reform of secondary education (2017) as a resumption of the political culture of the 1990s. It is based on bibliographic analysis having as sources their academic productions and the theoretical framework that connect them and support their thoughts. It uses the Gephi software as a tool for analysis. We conclude that the theoretical bases for the constitution of a political-educational culture established between 1996 and 2002 reveal the existing tensions around the definition of an educational project.

Biografia do Autor

Heitor Lopes Negreiros, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, Espírito Santo, Brasil

Doutorando em Educação na Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes). Mestre em Educação pela Ufes. Graduado em Educação Física Licenciatura e Bacharelado pela Universidade de Vila Velha (UVV). Membro do Instituto de Pesquisa em Educação e Educação Física (Proteoria).

ORCID: https://orcid.org/0000-0001-9394-1907

Eliza Bartolozzi Ferreira, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, Espírito Santo, Brasil

Possui graduação em História, mestrado em Educação pela Universidade Federal do Espírito Santo, doutorado em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais e pós-doutoramento na École Normale Supérieure de Lyon/França. Atualmente é Professora Associada da Universidade Federal do Espírito Santo e do Programa de Pós-Graduação em Educação; é orientadora do mestrado e doutorado e bolsista produtividade PQ/CNPq. Coordenadora Geral do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) no período 2016-2020. Coordenadora do Forpred Sudeste. Atualmente é Diretora de Pós-Graduação da Universidade Federal do Espírito Santo (2020). A partir de 2018 é membro internacional da coordenação geral da Rede Latino-americana de Estudos Sobre Trabalho Docente (Rede Estrado).

ORCID: https://orcid.org/0000-0002-4100-9875

Wagner Santos, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, Espírito Santo, Brasil

Possui graduação em Educação Física pela Universidade Federal do Espírito Santo (2002), mestrado em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais (2005) e doutorado em Educação pela Universidade Federal do Espírito Santo (2010). Atualmente é Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Educação da Ufes, professor dos Programas de Pós-Graduação em Educação e em Educação Física (Mestrado e Doutorado) e do curso de Licenciatura e Bacharelado em Educação Física da UFES. Líder do Instituto de Pesquisa em Educação e Educação Física (Proteoria). Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq - Nível 2.

ORCID: https://orcid.org/0000-0002-9216-7291

Referências

Aguiar, M. A. S. (2019). Reformas conservadoras e a “nova educação”: orientações hegemônicas no MEC e no CNE. Educação & Sociedade, 40.

Arroyo, M. (1992). Fracasso-sucesso: o peso da cultura escolar e do ordenamento da educação básica. Em Aberto, 11 (53).

Assis, R. A. (1986). É preciso pensar em educação escolarizada para crianças de 4 a 6 anos? Cadernos de Pesquisa, 59, 66-72.

Azanha, J. M. P. (1998). Política e planos de educação no Brasil. In R. S. Barro (Ed). Estrutura e funcionamento da educação básica (p. 102-126). São Paulo: Pioneira.

Berstein, S. (2009). Culturas políticas e historiografia. In: C. Azevedo (Org.). Cultura política, memória e historiografia (p. 29-46). Rio de Janeiro: Editora FGV.

Bloch, M. (2001). Apologia da história: ou o ofício do historiador. Rio de Janeiro: Editora Zahar.

Bourdieu, P. &Passeron, J. C. (1964). Les étudiants et leurs études. De Gruyter Mouton.

Cury C. R. J. (2011). Carlos Roberto Jamil Cury: intelectual e educador. Belo Horizonte: Autêntica.

Cury, C. R. J. (1994). A educação na Constituição Federal de 1988 e nas Constituições Estaduais de 89/90. Belo Horizonte: FAE/UFMG e CNPq.

Cury, C. R. J. (1992). A nova LDB e suas implicações nos estados e municípios: o Sistema Nacional de Educação. Educação e Sociedade, 41, 186-201.

Cury, C. R. J. (1997). A Nova Lei da Educação Nacional: expectativas e perspectivas: horizonte e caminhos. Cadernos AEC, 1 (2), 7-12.

Cury, C. R. J. (2006). Conselhos de Educação: fundamentos e funções. Revista Brasileira de Administração da Educação, 22, 41-67.

Cury, C. R. J. (2002). Direito à educação: direito à igualdade, direito à diferença. Cadernos de Pesquisa, 1, 245-262.

Cury, C. R. J. (1998). O Plano Nacional de Educação: duas formulações. Cadernos de Pesquisa, 104, 162-180.

Foster, M. (1999). Race, class, and gender in education research. Educationalpolicy, 77-85.

Ginzburg, C. (1989). Mitos emblemas e sinais. São Paulo: Companhia das Letras.

Gontijo, R. (2005). História, cultura, política e sociabilidade intelectual., R. Soihet, M. Bicalho F. & Gouvêa M. F. (Orgs.), Culturas políticas: ensaios de história cultural, história política e ensino de história. Rio de Janeiro: MAUAD/FAPERJ.

Levin, H. & Soler, P. (1992). Escolas aceleradas: podem elas ser bem-sucedidas no Brasil? Brasília.

Libâneo, J. C. (1986). Didática. Campinas: Cortez Editora.

Luckesi, C. C. (1986). Avaliação educacional escolar: para além do autoritarismo. Revista de Educação AEC, 15 (60), 23-37.

Lüdke, H. A. (1995). Contribuição da sociologia para a avaliação escolar. Cadernos de Pesquisa, 1(92), 74-79.

Lüdke, H. A. (1983). O educador: um profissional? Revista da Faculdade de Educação da UFF, 1(1), 11-22.

Lüdke, H. A. (1998). Pesquisa em educação: conceitos, políticas e práticas. In, C. M. G. Geraldi, D. Fiorentini & M. A. Pereira (Orgs.). Cartografias do trabalho docente. Campinas: Mercado de Letras.

Lüdke, H. A. & André, M. E. D. A. (1986). Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: Câmara Brasileira do Livro.

Lüdke, H. A. & Moreira, A. F. B. (2002). Propostas recentes para a reforma da formação de professores no Brasil. Revista Portuguesa de Educação, 15 (1), 53-83.

Lüdke, H. A., Moreira, A. F. B. & Cunha, M. I. (1999). Repercussões de tendências internacionais sobre a formação de nossos professores. Educação e Sociedade, 68, 215-235.

Mello, G. N. (1998). Cidadania e competitividade. São Paulo: Cortez.

Mello, G. N. (1994). Escolas eficazes: um tema revisitado. Brasília: MEC.

Mello, G. N. (1982). Magistério de 1º grau. São Paulo: Autores Associados.

Mello, G. N. & Silva, R. N. (1991). A gestão e a autonomia da escola nas novas propostas de políticas educativas para a América Latina. Estudos Avançados, 5(12), 45-60.

Motta, V. C. &Frigotto, G. (2017). Por que a urgência da reforma do ensino médio? Medida Provisória nº 746/2016 (lei nº 13.415/2017). Educação e Sociedade, 38(139), 355-372.

Moura Castro, C. (1991). Woodworking schools in France: what do you do with marquetrie when automation comes?.Genova: Training Policies Branch.

Nisbet, J. (1993). The thinking curriculum. Educational Psychology, 13(3), 281-290.

Prado, I. G. A. (2000). O MEC e a reorganização curricular. São Paulo Perspectiva, 14, 94-97.

Ribeiro, S. C. (1990). A pedagogia da repetência. Estudos em Avaliação Educacional, 4, 73-76.

Saviani, D. (1973). Educação brasileira. Educação & Sociedade, 50.

Sirinelli, J. F. (2003). Os intelectuais. In R. Rémond (Org.). Por uma História Política. Rio de Janeiro: Editora UFRJ.

Souza, P. R. (2005). A revolução gerenciada: educação no Brasil 1995-2002. Financial Times BR.

Tedesco, J. C. (1991). Alguns aspectos da privatização educativa na América Latina. Estudos avançados, 5(12), 23-44.

Unesco. (1992). Declaração Mundial sobre Educação para Todos. Jomtien: Unesco.

Publicado
2022-08-27
Como Citar
Negreiros, H. L., Ferreira, E. B., & Santos, W. (2022). Basic Education Chamber of the CNE (1996-2002): advisers and political-educational culture. Revista Tempos E Espaços Em Educação, 15(34), e17572. https://doi.org/10.20952/revtee.v15i34.17572