Pieces of Knowledge: connectivist maps as allies of language learning

  • Augusto Weiand Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil / Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul, Osório, Rio Grande do Sul, Brasil.
  • Patrícia da Silva Campelo Costa Barcellos Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil.
  • Eliseo Reategui Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil.
Palavras-chave: Virtual Learning Environment. Flashcards. Connectivist Maps. Activity Theory. Connectivism Theory.

Resumo

Connections have been present in society since the beginning of time, and these possibilities allow knowledge among people to be perfected and taught to others in order to constitute a continuous learning network. In this context, there are several approaches that are commonly used, such as flashcards and learning maps. Under this scenario, this article demonstrates how a virtual learning environment constituted in the light of Connectivist and Activity Theories can help in the process of understanding a foreign language. In this environment, teachers and students build a map with interconnected contents, which can be: hypertexts, hypertext flashcards and links - called Piece of Knowledge - PoK, constituting pieces of knowledge about one (or several) theme(s). In addition, the environment provides forums and a different way of viewing the map in groups, where each student has their own vision, being able to suggest modifications to the map of other colleagues. In this sense, the present work demonstrates the theoretical foundation of this environment, as well as a study developed with secondary school students where the use of the environment in an activity of the English language discipline was analyzed.

Biografia do Autor

Augusto Weiand, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil / Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul, Osório, Rio Grande do Sul, Brasil.

Atualmente é Doutorando em Informática na Educação (PPGIE/UFRGS), e atua como Técnico em Tecnologia da Informação no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul - IFRS Campus Osório. É Mestre em Ciência da Computação (PUCRS, 2016), Pós-Graduado em Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação (FURG, 2018), Graduado em Licenciatura em Informática (FACOS, 2013) e Técnico em Informática para Internet (IFRS, 2013). Tem experiência na área de Desenvolvimento e Integração de Sistemas; Mineração de Dados; Interação Humano-Computador; Visualização de Dados e projetos de pesquisa financiados com agências de fomento como CNPq e IFRS.

ORCID: https://orcid.org/0000-0003-0117-1613

Patrícia da Silva Campelo Costa Barcellos, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil.

É professora adjunta na área de língua inglesa do Instituto de Letras e professora do Programa de Pós-Graduação em Informática na Educação (PPGIE) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Possui Doutorado em Informática na Educação pela UFRGS e Doutorado em Linguística Aplicada pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS). Durante o Doutorado na UFRGS, foi bolsista CAPES e realizou Doutorado Sanduíche (Bolsa PSDE - CAPES), na University of California, em Irvine (Califórnia, EUA). Foi professora convidada do curso de Especialização em Ensino de Línguas Estrangeiras: Contextos de Aprendizagem e Tecnologias na UNISINOS, em 2015, professora da Faculdade Dom Bosco de 2011 a 2013 e professora do NELE (Núcleo de Ensino de Línguas em Extensão), na UFRGS, de 2008 a 2012. Além disso, foi professora convidada do curso de Especialização em Ensino-Aprendizagem de Língua Inglesa do Centro Universitário Ritter dos Reis (UniRitter) em 2010 e 2011 e trabalhou como professora substituta de língua inglesa na Graduação da UFRGS de 2008 a 2010. Durante o Mestrado em Linguística Aplicada, na UFRGS, atuou como bolsista CNPq. Na Graduação em Letras Licenciatura Português/Inglês (UFRGS) foi bolsista de iniciação científica FAPERGS (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio Grande do Sul). Tem experiência na área de Linguística Aplicada e ambientes informatizados na educação, atuando principalmente nos seguintes temas: aprendizagem de língua estrangeira, teoria sociocultural, diálogo colaborativo e tecnologias aplicadas à educação.

ORCID: https://orcid.org/0000-0002-5142-4730

Eliseo Reategui, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil.

Eliseo Reategui é doutor em Computação pela Universidade de Londres, Inglaterra (UCL). Atualmente é professor da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), professor permanente do Programa de Pós-Graduação em Informática na Educação (PGIE-UFRGS). Foi Coordenador da Câmara de Sociais e Humanidades da CAPES na área Interdisciplinar em 2017 e coordenador do PGIE entre 2015 e 2016. Em 2013 foi professor visitante da Escola de Educação da Universidade da Califórnia Irvine (CAPES/Fullbright), desenvolvendo pesquisa na área de tecnologia para apoio aos processos de letramento. No final da década de 1990, trabalhou no departamento de pesquisa e desenvolvimento da empresa de jogos digitais Kalisto em Bordeaux, França. Também atuou na empresa Cognition (Paris, França) como consultor no desenvolvimento de projetos de bases de conhecimento para grandes empresas como PSA (Peugeot, Citroën) e Thomson. Na década de 2000 foi professor do Departamento de Informática da Universidade de Caxias do Sul e também gerente de projetos da empresa GoDigital, em Porto Alegre, RS. Suas principais áreas de investigação estão relacionadas ao desenvolvimento e emprego de tecnnologia educacional para apoio ao processos de aprendizagem em diferentes áreas do conhecimento. 

ORCID: https://orcid.org/0000-0002-5025-9710

Referências

BARABÁSI, A. L. (2002). Linked: The New Science Of Networks Science Of Networks. Perseus Publishing, Cambridge, MA.

BELLONI, M. L. (2015). Educação a Distância. Autores Associados, Campinas, 7.

BROWN, J. S. (2000). Growing Up: Digital: How the Web Changes Work, Education, and the Ways People Learn. Change: The Magazine of Higher Learning, 32, 11–20.

BUZAN, T. (2019). Dominando a Técnica dos Mapas Mentais, 1. Editora Pensamento Cultrix, São Paulo, 1 .

CAMARGO, A. F. D. (2016). Formação continuada de professores para o uso dos dispositivos móveis: uma análise de experiência sob a perspectiva da teoria da atividade. Centro Universitário Internacional Uninter.

DOWNES, S. (2008). An introduction to connective knowledge. : Hug, T., , Media, Knowledge and Education: Exploring new Spaces, Relations and Dynamics in Digital Media Ecologies, 77–102. innsbruck university press, Innsbruck.

DOWNES, S. (2012). Connectivism and Connective Knowledge: essays on meaning and learning networks. National Research Council Canada, Canada, USA, 1 .

ENGESTRÖM, Y. (2015). Learning by Expanding, Second Edition. Learning by Expanding, 1, 299.

ENGESTRÖM, Y. ; MIETTINEN, R. (1999). Introduction. : Perspectives on Activity Theory, 1–16. Cambridge University Press.

FERRÃO, N. S. ; SANTAROSA, M. C. P. (2020). Mapas Conceituais para a compreensão de textos no âmbito de um curso de pós-graduação. Revista Eletrônica de Educação Matemática, 15, 1–21.

GERHARDT, T. E. ; SILVEIRA, D. T. (2009). Métodos de Pesquisa. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil, 1 .

JONASSEN, D. H. ; ROHRER-MURPHY, L. (1999). Activity theory as a framework for designing constructivist learning environments. Educational Technology Research and Development, 47, 61–79.

LANTOLF, J. P.THORNE, S. L. ; POEHNER, M. E. (2006). Activity theory, 1: theoretical framework. : Lantolf, J. ; Thorne, S., , Sociocultural Theory and the Genesis of Second Language Development, 8, 210–232. Oxford University Press.

LEONTIEV, A. N. (1979). Activity, Consciousness, and Personality. Prentice Hall.

MACIEL, C. (2012). Educação a Distância: Ambientes Virtuais de Aprendizagem. Editora da Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, MT, Brasil, 1 .

MENDES, F. A. C. (2012). Tablets na educação, uma realidade! II Congresso InovaEduca, 2.

MICCOLI, L. (2013). Aproximando Teoria e Prática: Para Professores de Línguas Estrangeiras. Fino Traço Editora, 1 .

NOVAK, J. D. (2010). Learning, creating, and using knowledge: Concept maps as facilitative tools in schools and corporations. Journal of E-Learning and Knowledge Society, 6, 21–30.

RIBEIRO DE OLIVEIRA, T. M. ; COSTA AMARAL, C. L. (2020). Mapas Conceituais
Como Recurso Didático Para O Ensino Da Educação Ambiental. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, 11, 158–172.

SANDRO GOMES, A. ; ARAÚJO GOMES, C. R. (2020). Classificação dos tipos de pesquisa em Informática na Educação. : JAQUES, P. A.PIMENTEL, M.SIQUEIRA, S. ; BITTENCOURT, I., , Metodologia de Pesquisa Científica em Informática na Educação: Concepção de Pesquisa, 1, 4. SBC, Porto Alegre.

SIEMENS, G. (2005). Connectivism: A Learning Theory for the Digital Age. Journal of Instructional Technology and Distance Learning, 2, 1–9.

SIEMENS, G. (2006). Connectivism: Learning Theory or Pastime of the Self-Amused: Elearnspace blog, 1–43.

STRUCHINER, M.RAMOS, P. ; DE SERPA JUNIOR, O. D. (2016). Desenvolvimento e implementação de um ambiente virtual de aprendizagem na área da saúde:Uma experiência de pesquisa baseada em design. Interface: Communication, Health, Education, 20, 485–495.

VIGOTSKY, L. S. (2008). Pensamento e Linguagem. Martins Fontes, São Paulo, 4 .

WAZIR, H. B.OTHMAN, A. ; YUSOF, Y. M. (2018). Vocabulary Flashcard in Learning English as Second Language for non-native Learners. : Mohamad, B.Omoloso, A. I.Adetunji, R. R.Memon, S. ; Harun, H., SMMTC
Publicado
2022-06-23
Como Citar
Weiand, A., Barcellos, P. da S. C. C., & Reategui, E. (2022). Pieces of Knowledge: connectivist maps as allies of language learning. Revista Tempos E Espaços Em Educação, 15(34), e17616. https://doi.org/10.20952/revtee.v15i34.17616