A aprendizagem ubíqua na educação aberta

  • Lucia Santaella

Resumo

As mídias digitais vieram para embaralhar as cartas do
jogo, em todos os campos do social, político, cultural, comunicacional, educacional com repercussões no psiquismo, nos modos de pensar e conhecer, nas disposições para agir e nas formas de perceber e sentir e interagir.
Não há qualquer reduto da vida humana que tenha ficado incólume à voragem digital. As redes digitais se constituem não só em malhas de comunicação planetária, por onde perpassam compartilhamentos, solidariedades, controvérsias e conflitos, mas, sobretudo, constituem-se
em espaços de difusão e acesso à informação e saberes.
Não há conhecimento sem comunicação, nem comunicação sem midiatização das informações e dos dispositivos.
Potencializando os processos de comunicação e acesso, as
redes potencializam também as fontes e práticas de conhecimento, assim como incrementam o estabelecimento de ambientes de aprendizagem e a partilha de saberes e competências. Este artigo pretende discutir o papel que a aprendizagem ubíqua pode desempenhar no contexto
de práticas e recursos educacionais abertos.
Publicado
2014-12-30
Como Citar
Santaella, L. (2014). A aprendizagem ubíqua na educação aberta. Revista Tempos E Espaços Em Educação, 7(14), 15-22. https://doi.org/10.20952/revtee.v0i0.3446
Seção
Número Temático: Culturas Digitais e Educação