“MODO DEADLINE”: UMA ANÁLISE SOBRE O TEMPO DAS MULHERES ACADÉMICAS

Emília Araújo, Victor Barros

Resumo


Ao relacionarmos o tempo na academia e na ciência em uma perspectiva de género como condição/pressuposto de partida, são inúmeras as questões que se levantam e que ultrapassam os indicadores atuais relativos à comparação entre a situação dos homens e das mulheres na academia e na ciência. O grau e valorização das unidades curriculares, cargos, áreas científicas, perfis e temas de investigação, as modalidades de financiamento e até mesmo a escolha de uma carreira de investigação devem ser equacionadas enquanto questões de género e correlacionadas com o uso, experiência, implicações e percepções do fator tempo pelas mulheres académicas nestas questões. Este artigo tem como objetivo explicitar alguns dos traços principais dos usos do tempo, por parte das mulheres académicas, identificando algumas das suas implicações para a política académica e científica a nível institucional. A partir da análise de resultados provenientes de um cruzamento de estudos realizados envolvendo entrevista e observação, percebe-se claramente como as narrativas femininas sobre o tempo tendem a relativizar as dificuldades individuais na administração e alocação do tempo, face à importância atribuída à necessidade de responder a exigências de caráter estrutural nas instituições. Nesta perspetiva, destaca-se o interesse em aprofundar a consciencialização sobre questões de genéro, incluindo o aprimoramento de indicadores para estudo e intervenção consentanêa com a promoção da igualdade de género em contexto académico.

Texto completo:

PDF

Referências


Araújo, Emília. Uma abordagem sobre o tempo de(para) na ciência e academia. Revista APS Online, 12, 2016. Disponível em . Acesso Abr 2017.

Araújo, Emília. O Tempo dos (para) os docentes e pesquisadores numa perspetiva do gênero, Revista Ártemis, nº20, p.39-56, 2015.

Araújo, Emília; Fontes, Margarida. Mobilidade de Pesquisadores em Portugal: uma abordagem de género, Revista Ibero-Americana de Ciência e Tecnologia, nº 23, p.9-43, 2013.

Bentley, Peter. Gender differences and factors affecting publication productivity among Australian university academics, University of Melbourne Journal of Sociology, vol. 48, n.1,p. 85–103, 2012.

Bourdieu, Pierre. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

Bittencourt, Silvana Maria. Maternidade e Carreira: Reflexões de Acadêmicas na Fase do Doutorado. Jundiaí: Paco Editoria, 2013.

Cerqueira, Carla. Os média, os públicos e os discursos de género: (in)visibilidades, linguagens e protagonistas. Publidiversidade. representações sociais e igualdade de género na publicidade, p. 7-16, 2014.

Clarke, Mary. Creating a Supportative Working Environment in European Higher Education,2015. Disponível em: . Acesso em: jun 2016.

Clegg, Sue. Time future—the dominant discourse of higher education, Time & Society, vol.19,n.3, p. 345-364, 2010.

Dawson, Patrick; Sykes, Christopher. Organizational Change and Temporality: bending the arrow of time: Routledge, 2016.

ESF. European Science Foundation. Annual Report. European Science Foundation, 2009.

Felt, Ulrike. The temporal choreographies of participation: Thinking innovation and society from a time-sensitive perspective, 2015. Disponível em: . Acesso em:jun 2016.

Ferreira, Virginia; Monteiro, Rosa. Austeridade, emprego e regime de bem-estar social em Portugal: em processo de refamilização?, Ex æquo n.32, p.49-67, 2015.

Fox, Mary Frank. Gender, family characteristics, and publication productivity among scientists, Social Studies of Science, vol.35, n.1, p.131-150, 2005.

Santos, Gina. Career barriers influencing career success: A focus on academics’ perceptions and experiences", Career Development International, vol. 21, n.1, pp.60 – 84, 2016.

Gaughan, Monica; Bozeman, Barry. Using the prisms of gender and rank to interpret research collaboration power dynamics, Social Studies of Science, vol. 64, n.4, p.536–558, 2016.

Kehm, Barbara; Teichler, Ulrich. The Academic Profession in Europe: new tasks and new challenges. Holanda: Springer, 2013.

Macleod, C. J. A.; Blackstock, K. L. ; Haygarth, P. M. Mechanisms to improve integrative research at the science-policy interface for sustainable catchment management, Ecology and Society, vol.13,n.2, 2008. Disponível em: . Acesso em: jun 2016.

Martins, Moisés; Baptista, Maria Manuel; Araújo, Emília; Latif, Larissa. Ciência e conhecimento: políticas e discursos. Revista Lusófona de Estudos Culturais, [S.l.], v. 3, n. 2, p. 7-17, jun. 2016. ISSN 2183-0886. Disponível em: . Acesso em: 15 Set. 2016.

Menzies, Heather; Newson, Janine. Time, stress and intellectual engagement in academic work: Exploring gender difference, Gender, Work and Organization, vol.15, n.5, p.504–522, 2008.

Menzies, Heather; Newson, Janice. No time to think: Academics’ life in the globally wired university, Time & Society, vol.16,n.1,p.83–98, 2007.

Muller, Ruth. Racing for What? Anticipation and Acceleration in the Work and Career Practices of Academic Life Science Postdocs, Qualitative Social Research, vol.15, n.3, 2014. Disponível em: Acesso em: Ago 2016.

Nielsen, Mathias. Gender inequality and research performance: Moving beyond individual-meritocratic explanations of academic advancement. Studies in Higher Education, 4: 1-23, 2015.

Nogueira, Conceição. A Teoria da Interseccionalidade nos estudos de género e sexualidades: condições de produção de "novaspossibilidades" no projeto de uma psicologia feminista crítica, Práticas Sociais, Políticas Públicas e Direitos Humanos, 2013.

Pereira, Maria do Mar. 2016. Struggling within and beyond the Performativity University: Articulating Activism and Work in “academia without walls”, Women’s Studies International Forum 54: 100-110.

Perista, Heloisa; Cardoso, Ana; Brázia, Ana; Abrantes, Manuel; Perista, Pedro. Os Usos do Tempo de Homens e de Mulheres em Portugal. Disponível em . Abr 2016.

Seron, Carroll; Silbery, Susan; Cech, Erin; Rubineau, Brian. Persistence is cultural professional socialization and the reproduction of sex segregation, Work and Occupations, vol. 43, n.2, p. 178-214, 2016.

Silveira, Zuleide; Bianchetti, Lucídio. Universidade moderna: dos interesses do Estado-nação às conveniências do mercado. Revista Brasileira de Educação, vol.21, n.64, pp.79-99, 2016.

Vostal, Filip. Academic life in the fast lane: The experience of time and speed in British academia, Time & Society, vol. 24, n.1, p.71-95, 2015.

Walby, Silvia. Gender Transformations. Londres: Routlege, 1997.

Ward, Kelly; Wolf-Wenel, Lisa. Academic motherhood: how faculty manage work and family: Rutgers University Press, 2012.

Whittington, Kjersten Bunker. Mothers of invention? gender, motherhood, and new dimensions of productivity in the science profession.Work and Occupations, vol.38,n.3:p. 417 – 456, 2011.

Winslow, Sarah. Gender inequality and time allocations among academic faculty”, Gender & Society, vol.24, n.6, p.769-793, 2010.

Ylijoki, Oili-Helena. Boundary-work between work and life in the high-speed university”, Studies in Higher Education, vol.38, n.2,p.242 –255, 2013.

Ylijoki, Oili-Helena. Future orientation in episodic labour: Short-term academics as a case in point”, Time & Society, vol.19, n.3,p.365–386, 2010.

Ylijoki, Oili-Helena; Hans, Mäntylä. Conflicting time perspectives in academic work”, Time & Society, vol.19, n.3,p.365–386, 2003.




DOI: https://doi.org/10.20952/revtee.v10i22.6440

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Incluir comentário