ESCOLA E SURDEZ: O QUE DIZEM PROFESSORES E PAIS A RESPEITO?

  • Ezer Wellington Gomes Lima Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF/PE. Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ
  • Luiz Antonio Gomes Senna UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - PROPED/UERJ

Resumo

Em virtude ao enredamento que cerca a escolarização de surdos, a pesquisa teve como objetivo, levantar os espaços e funções da escrita no contexto familiar e escolar de crianças/alunos surdos, em processo de alfabetização, na tentativa de reconhecer como e para que usam a escrita. A partir da questão central da pesquisa, foi necessário focalizar o contexto escolar, as interações e o desempenho na língua portuguesa de aprendizes surdos, buscando os dados regulares e os singulares manifestados pelos sujeitos envolvidos. Dessa maneira, foi possível constatar que nem os pais nem os professores usam a língua de sinais para interagir com os surdos, gerando interações linguísticas restritas e pouco efetivas.  Outro aspecto importante deste estudo se situa na grande dificuldade e insegurança dos professores em trabalhar com alunos surdos: os profissionais, muitas vezes, relatam terem dúvidas se realmente estão conseguindo ensinar e se o surdo realmente está aprendendo. O que se apreende desse estudo é que a voz dos familiares, assim como do professor é fundamental para que algo possa ser pensado e/ou repensado em relação à escolarização desses sujeitos.

Biografia do Autor

Ezer Wellington Gomes Lima, Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF/PE. Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ
  1. Mestre, em Educação pela UFMT/PPGEdu. Professor Assistente na Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF – Petrolina PE), doutorando pelo programa de Pós-Graduação em Educação UERJ/ ProPed.
  2. Lattes: http://lattes.cnpq.br/8210219247745921

Luiz Antonio Gomes Senna, UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - PROPED/UERJ
  1. Luiz Antônio Gomes Senna; Doutor em Linguística Aplicada (PUC-Rio: 1994), atua como Professor Associado da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), onde é membro permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação (www.proped.pro.br).

Lattes: http://lattes.cnpq.br/8541753054778705

Referências

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 1988.

BRASIL. Estatuto (1990). Estatuto da Criança e do Adolescente. Brasil. Brasília, DF, 1990.

BRASIL. LDB (1996) Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasil. Brasília, DF, 2002.

BUENO, J. G. S. A educação inclusiva e as novas exigências para a formação de professores: algumas considerações. In: BICUDO, M. A.; SILVA Jr., C. A. (Orgs.) Formação de educadores e avaliação educacional. São Paulo: UNESP, 1999.

CORRÊA, M. L. G. O modo heterogêneo de constituição da escrita. Tese de Doutorado em Linguística. Campinas, SP: IEL/UNICAMP, 1997.

COUTO, A. Como Posso Falar. Aprendizagem da Língua Portuguesa Pelo Deficiente Auditivo. Rio de Janeiro: Texto, 1991.

DORZIAT, A. A inclusão escolar de Surdos: Um olhar sobre o currículo. In: II SEMINÁRIO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL, maio de 2006. Vitória ES: UFES, 2006. CDROM ISBN 85-99643-03-07.

DORZIAT, A. A inclusão escolar de Surdos: Um olhar sobre o currículo. In: II SEMINÁRIO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL, maio de 2006. Vitória ES: UFES, 2006. CDROM ISBN 85-99643-03-07.

FELIPE, T. A Escola inclusiva e os direitos lingüísticos dos surdos. Revista Espaço Ines. Rio de Janeiro. n. 7, jan./ jun. 1997.

FELIPE, T. A; MONTEIRO, M. S. Libras em Contexto: curso básico, livro do professor instrutor – Brasília: Programa ... memória utilizando a realidade aumentada para o processo de ensino-aprendizagem de deficientes auditivos ou surdos - 2000.

FERNANDES, S. Práticas de Letramento no contexto da educação bilíngue para surdos. Curitiba: SEED/SUED/DEE, 2006.

FERNANDES, S. Práticas de Letramento no contexto da educação bilíngue para surdos. Curitiba: SEED/SUED/DEE, 2006.

GÓES, M. C. R. de. A linguagem escrita de alunos surdos e a comunicação bimodal. Livre-Docência em Psicologia Educacional. UNICAMP, 1994.

GÓES, M. C. R. de. Relações entre desenvolvimento humano, deficiência e educação: contribuições da abordagem histórico/cultural. In: OLIVEIRA, M, K, SOUZA, D, T; REGO, T. C. (Org). Psicologia, Educação e as temáticas da vida contemporânea. São Paulo: Moderna, 2002. p. 95 – 114.

GÓES, M. C. R. Linguagem, surdez e educação. Campinas: Autores Associados, 1996.

GOLDFELD, M. A criança surda: linguagem e cognição numa perspectiva sóciointeracionista. São Paulo: Plexus, 1997. (6ª edição 2002)

NOGUEIRA, M. M. A. Espaços de diferenças. Estudo de caso da interação professor ouvinte e pre-escolares surdos em duas alternativas metodológicas. Dissertação de Mestrado, UFRJ, Faculdade de Educação. Rio de Janeiro, 1994.

OMOTE, S. Deficiência e Não deficiência: Recortes do Mesmo Tecido. (Revista Brasileira de Educação Especial, Piracicaba, v. n. 1, n. 2, p. 65 – 73) 1994.

QUADROS, R. (Inclusão: R. Educ. esp., Brasília, v. 4, n. 1, p. 21, jun. 2008)

QUADROS, R. M. de. Educação de surdos: a aquisição da linguagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

QUADROS, R. M.; KARNOPP, L. B. Língua de sinais brasileira. Estudos lingüísticos. Porto Alegre: Artmed; 2004.

RABELO, A. S. Minha cartilha sinalizada. Rio de Janeiro – RJ: Enelivros, 1992.

ROCHA, Solange Maria da. O INES e a educação de surdos no Brasil: aspectos da trajetória do Instituto Nacional de Educação de Surdos em seu percurso de 150 anos. 2. ed. Rio de Janeiro: INES, 2008.

SÁ, N. L: Cultura, poder e educação de surdos. São Paulo: Paulinas, 2006.

SACKS, O. Vendo vozes: uma jornada pelo mundo dos surdos. Rio de Janeiro: Imago Editora, 1989.

SÁNCHES, C. M. La increible y triste historia de la sordera. Caracas: Ceprosord impresion, 1990.

SKLIAR, C. (org.) A surdez: um olhar sobre as diferenças. Porto Alegre: Editora Mediação, 1999

SKLIAR, C. A pergunta pelo outro da língua; a pergunta pelo mesmo da língua. In: LODI, A .B. C.; HARRISON, K. M. P.; CAMPOS, S. R. L.; TESKE, O. (Orgs.). Letramento e Minorias. Porto Alegre: Mediação, 2002

STROBEL, K.L. As Imagens do outro sobre a Cultura Surda. Florianópolis: Editora da UFSC, 2008.

VIGOTSKY, L. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

Publicado
2018-01-19
Como Citar
Lima, E. W. G., & Senna, L. A. G. (2018). ESCOLA E SURDEZ: O QUE DIZEM PROFESSORES E PAIS A RESPEITO?. Revista Tempos E Espaços Em Educação, 11(24), 217-234. https://doi.org/10.20952/revtee.v11i24.6647
Seção
Artigos de Demanda Contínua