GÊNESE DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM JOHN DEWEY E EM PAULO FREIRE E AS PERSPECTIVAS ATUAIS: O QUE HÁ DE NOVO?

  • Monica Andrade Modesto Universidade Federal de Sergipe, Secretaria da Educação do Estado de Sergipe; Faculdade São Luís de França (Grupo Tiradentes) http://orcid.org/0000-0002-9457-2725
  • Aline Lima de Oliveira Nepomuceno Universidade Federal de Sergipe
  • Maria Inêz Oliveira Araujo Universidade Federal de Sergipe

Resumo

Pensar a problemática socioambiental tornou-se tarefa imprescindível da educação. Nesse sentido, muitas são as perspectivas que circundam a educação ambiental nos dias atuais, embasadas em uma pluralidade de pensamentos e tendências, todavia, nota-se um despontamento para o enfoque eco-sistêmico educacional. Em que pese sejam tidas como novas, muitas ideias difundidas na atualidade têm suas premissas fundadas na Filosofia da Educação, ainda que de forma velada. Sendo assim, este artigo objetiva refletir os elementos presentes nos pensamentos de John Dewey e de Paulo Freire que podem ser considerados como prenunciadores da gênese da educação ambiental crítica a partir de um estudo comparativo. Estruturado em tópicos analíticos acerca da relação ambiente e educação no âmbito da Modernidade e da Pós-Modernidade, bem como no âmbito das obras dos autores mencionados e das perspectivas atuais, o estudo aponta que as teorias emergentes do século XXI não são inéditas, mas adjeções de reflexões que vêm sendo discutidas ao longo dos tempos.

Biografia do Autor

Monica Andrade Modesto, Universidade Federal de Sergipe, Secretaria da Educação do Estado de Sergipe; Faculdade São Luís de França (Grupo Tiradentes)
Pedagoga. Doutoranda em Educação. Professora do quadro da Secretaria da Educação do Estado de Sergipe e da Faculdade São Luís de França. Membro do Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação Ambiental de Sergipe (GEPEASE).
Aline Lima de Oliveira Nepomuceno, Universidade Federal de Sergipe
Bióloga. Doutora em Educação. Professora do Departamento de Biologia da Universidade Federal de Sergipe. Membro do Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação Ambiental de Sergipe (GEPEASE).
Maria Inêz Oliveira Araujo, Universidade Federal de Sergipe
Bióloga. Doutora em Educação. Professora do Departamento de Educação da Universidade Federal de Sergipe e do Programa de Pós-Graduação em Educação da mesma instituição. Líder do Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação Ambiental de Sergipe (GEPEASE).

Referências

ADORNO, T. W. Educação e emancipação. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2006.

BRASIL. Lei 9.795/1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Disponível em < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9795.htm> Acesso em: 06 de jan. 2018.

CAPRA, F. A Teia da Vida: uma nova compreensão científica dos sistemas vivos. 8ª ed. São Paulo: Cultrix, 2003.

CAPRA, F.; LUISI, P. L. A visão sistêmica da vida: uma concepção unificada e suas implicações filosóficas, políticas, sócias e econômicas. São Paulo: Cultrix, 2014.

CHARLES, S. Paideia e Filosofia no Século das Luzes. In: MENEZES, E.; OLIVEIRA, E. (Org.) Modernidade Filosófica: um projeto, múltiplos caminhos. São Cristóvão: Editora UFS, 2011. p. 71-88.

COMÉNIO, J. A. Didáctica Magna. 5ª Edição. Praga: Fundação Calouste Gulbenkian. 2006.

DEWEY, J. Democracia e Educação: Capítulos essenciais. Apresentação e comentários de Marcus Vinicius da Cunha. São Paulo: Ática, 2007.

______. Democracia e Educação. Tradução de Godofredo Rangel e Anísio Teixeira. 3. ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1959.

______. O desenvolvimento do Pragmatismo Americano. In: Cognitio-estudos: Revista Eletrônica de Filosofia, v.5, n.2. São Paulo: PUC-SP, 2008. p. 119-132.

______. Vida e Educação. Tradução de Anísio Teixeira. 10.ed. São Paulo: Melhoramentos, 1978.

FREIRE, P. Educação como prática da Liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980.

______. Conscientização: teoria e prática da libertação: uma introdução ao pensamento de Paulo Freire. São Paulo: Cortez, 1980b.

______. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

GUIMARÃES, M. Abordagem relacional como forma de ação. In: GUIMARÃES, M. (Org.). Caminhos da Educação Ambiental: Da forma à ação. 5.ed. Campinas, SP: Papirus, 2012. p. 09-16.

______. Educação Ambiental: No consenso um embate? Campinas, SP: Papirus, 2007.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2005.

JACOBI, P. Educação ambiental, cidadania e sustentabilidade. In: Cadernos de Pesquisa, n. 118, março/2003. p. 189-205. Disponível em <http://www.scielo.br/pdf/cp/n118/16834.pdf> Acesso em: 02 de jan. 2018.

JAEGER, W. W. Paidéia: a formação do homem grego. Tradução de Artur M. Parreira. 4ª Ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

KANT, I. Sobre a pedagogia. Trad. De Francisco Cock Fontanella. Piracicaba: Ed. Unimep, 1999.

LEFF, E. Epistemologia ambiental. Tradução de Sandra Valenzuela. 5.ed. São Paulo: Cortez, 2002.

______. Saber ambiental: Sustentabilidade, Racionalidade, Complexidade e Poder. Tradução de Lúcia Mathilde Orth. 5.ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2001.

LOUREIRO, C. F. B. Trajetória e Fundamentos da Educação Ambiental. 4.ed. São Paulo: Cortez, 2012.

MADEIRA, A. I. O campo da educação comparada: do simbolismo fundacional à renovação das lógicas de investigação. In: Souza, D. B. ; Martinez, S. A. (Orgs.). Educação comparada: rotas de além-mar. São Paulo: Xamã, 2009. p. 105-135.

MAGALHÃES, F. O discurso filosófico da pós-modernidade: A filosofia do espetáculo contra o marxismo. In: Revista Ciências Sociais Unisinos. vol. 41, núm. 3, setembro-dezembro, 2005, pp. 190-194. Disponível em <http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=93841307> Acesso em: 05 de jan. 2018.

MORAES, M. C. Pensamento eco-sistêmico: educação, aprendizagem e cidadania no século XXI. Petrópolis, RJ: Vozes, 2004.

MORIN, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. Tradução de Catarina Eleonora F. da Silva e Jeanne Sawaya. 2. Ed. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: UNESCO, 2011.

ROUSSEAU, J. J. Emílio ou da Educação. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

SANTOS, M. C. F. A noção de experiência em John Dewey, a educação progressiva e o currículo de ciências. In: Anais do VIII ENPEC. 2011. Disponível em < http://www.nutes.ufrj.br/abrapec/viiienpec/resumos/R0214-1.pdf > Acesso em: 08 de jan. 2018.

SAUVÉ, L. Uma cartografia das correntes em educação ambiental. In: SÁTO, M.; CARVALHO, I. C. M. (Orgs.) Educação Ambiental. Porto Alegre: Artmed, 2005. p. 17-45.

SILVA, F. C. T. Estudos comparados como método de pesquisa: a escrita de uma história curricular por documentos curriculares. In: Revista Brasileira de Educação v. 21 n. 64 jan.-mar. Rio de Janeiro: ANPEd, 2016. p. 209-224.

Publicado
2019-06-13
Como Citar
Modesto, M. A., Nepomuceno, A. L. de O., & Araujo, M. I. O. (2019). GÊNESE DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM JOHN DEWEY E EM PAULO FREIRE E AS PERSPECTIVAS ATUAIS: O QUE HÁ DE NOVO?. Revista Tempos E Espaços Em Educação, 11(01), 363-378. https://doi.org/10.20952/revtee.v11i01.9085
Seção
Artigos de Demanda Contínua