Os “vultos e feitos” de “Alagoinhas e seu município”: uma memória do pós-abolição no interior da Bahia

  • Aline Najara da Silva Gonçalves

Resumo

Américo Barreira foi financiado pelo poder público municipal para escrever a história de Alagoinhas (BA). Em Alagoinhas e seu Município trouxe registros de uma cidade cosmopolita e governada por uma elite escravista. Analisar a obra de Américo Barreira perpassa pela ideia de refletir como o poder público alagoinhense, no pós-abolição imediato, elaborou e guardou a história local da segunda metade do século XIX, num período em que as leis emancipatórias davam sinais da degeneração do regime escravista. A análise dessa obra nos coloca diante de uma “história oficial” da cidade, escrita nos moldes das produções encomendadas pelo IHGB e repleta de “pretensões”. Dessa forma, este texto propõe a problematização dos caminhos percorridos para forjar uma história que buscou apagar a presença negra e o escravismo da sua memória.
Como Citar
Gonçalves, A. N. da S. (1). Os “vultos e feitos” de “Alagoinhas e seu município”: uma memória do pós-abolição no interior da Bahia. Revista Do Instituto Histórico E Geográfico De Sergipe, (49). Recuperado de https://seer.ufs.br/index.php/rihgse/article/view/12373
Seção
Volume 2 - Dossiê Escravidão e Abolição no Brasil