Capital cultural entre agricultores familiares

da labuta ao (en) canto

  • José Franco de Azevedo IFS
  • Sônia Pinto de Albuquerque Melo Instituto Federal de Sergipe
Palavras-chave: Cultura, Canto de trabalho, Cooperação

Resumo

A formação cultural é inerente à humanidade, nasce das suas experiências mais marcantes. O objetivo do estudo é analisar os aspectos da cooperação, na cultura tradicional dos agricultores familiares de Nossa Senhora da Glória/Se.  O presente trabalho fundamenta-se na pesquisa bibliográfica e de campo, aplicação de questionário e entrevista com agricultores familiares e a observação direta nas propriedades. A relação com a natureza, os métodos aplicados de sobrevivência, as relações entre pessoas e animais, os fatos mais chocantes, as representações de aprendizagem familiar, entre outras nuances, se convertem em costumes. Tais costumes são passados de geração a geração que cultivam esses costumes e continuam a ser reproduzidos nas gerações subsequentes. Temos, então, o surgimento da Cultura, na sua expressão mais genuína, ou seja, o cultivo ou conservação dos costumes de um povo.

Biografia do Autor

Sônia Pinto de Albuquerque Melo, Instituto Federal de Sergipe

Graduada em Letras Português pela Universidade Federal de Sergipe (2003), Mestre e Doutora em Educação também pela Universidade Federal de Sergipe (2009 e 2015, respectivamente). É professora efetiva do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Sergipe (IFS), professora permanente do quadro docente do Mestrado Profissional em Educação Profissional e Tecnológica (ProfEPT), líder do Grupo de Pesquisa em Estudos de texto, leitura e linguagem (GETELL). Atua principalmente nos seguintes temas: Educação Profissional; Estudos da linguagem e ensino; Formação de leitores; História da Leitura; Educação Feminina.

Referências

BAHIA, SINGULAR E PLURAL. Cantos de Trabalho. Direção: José Estevez. Produção Josias Pires e Edinilson Mota. IRDEB, 2000. Documentário, 29’03’’. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=O0AoVe3RIzY&t=1310s. Acesso em junho de 2017.
CAILLÉ, A. Dádiva e associação. In: MARTINS, P. H. (org.). A dádiva entre os modernos: discussão sobre os fundamentos e as regras do social. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002a. p. 191-205.
CALDEIRA, C. Mutirão: formas de ajuda mútua no meio rural. São Paulo: Brasiliana, 1956. 222 p.
CÂNDIDO, Antonio. Os parceiros do Rio Bonito. 7. ed. São Paulo: Livraria Duas Cidades, 1987. 284 p.
GUIMARÃES, B. O seminarista. São Paulo: Ática, 1995. 102 p.
LÉVI STRAUSS, Claude. As estruturas elementares do parentesco. Petrópolis, RJ: Vozes, 1982.

MAIA, C.; LOPES, M. Formas tradicionais de solidariedade camponesa no Vale do Jequintinhonha, Montes Claros, Unimontes Científica, v. 5, n. 2, jul./dez. 2003.
MEAD, G. H. Mind, self and society. Chicago: The University of Chicago Press, 1934/1967. Disponível em <http://spartan.ac.brocku.ca/Iward/>. Acesso em ago. 2002.
MEIRA FILHO, N. Associações de agricultores familiares: fatores de sucesso e insucesso. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2004.
NASCIMENTO, Humberto Miranda do. Conviver o Sertão: origem e evolução do Capital Social em Valente/BA.
PRONESE. I Relatório anual de avaliação de Processo. Aracaju: 1988.
PRONESE. Relatório de atividades 1991-1994. Aracaju:1994.
SÁ, José Luiz. Fortalecimento da produção familiar em sistema agroecológico na bacia leiteira do semi-árido sergipano. [S.I.]: [s.n.], 2004. (Projeto de Pesquisa da Embrapa Semi-árido).
SANTANA, Sandro Luiz Cardoso. Memória e esquecimento nos cantos de trabalho da Quixabeira. Revista USP – São Paulo 2017.
SILVA, Tomaz Tadeu da. A produção social da identidade e da diferença. In: SILVA, T. T. (Org.). Identidade e diferença: A perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2000. p. 73-102.
TEDESCO, José Carlos. Terra, trabalho e família: racionalidade produtiva e ethos camponês. Passo Fundo: EDIUPE, 1999. 324 p.
TRIVIÑOS, Augusto Nibaldo Silva. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987. 175p.
WOORTMANN, K. Com parente não se negoceia. Anuário Antropológico 1987. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1990. p. 11-73.
Publicado
2022-06-15
Como Citar
Franco de Azevedo, J., & Pinto de Albuquerque Melo, S. (2022). Capital cultural entre agricultores familiares: da labuta ao (en) canto. Revista Do Instituto Histórico E Geográfico De Sergipe, 2(51), 313 a 337. Recuperado de https://seer.ufs.br/index.php/rihgse/article/view/16465
Seção
Dossiê: Culturas Populares: resistências , identidades culturais, dinâmicas ...