Autoritarismo e Nacionalismo na crise dos refugiados de 2015

Pedro Felipe Neves de Muñoz

Resumo


Recebido:   11/05/2017

Aprovado:  21/05/2017

Publicado: 10/06/2017


Resumo: A crise dos refugiados de 2015 foi a maior crise humanitária desde a Segunda Guerra Mundial. No entanto, imigração e mortes já ocorriam antes de 2015 e seguem ocorrendo hoje. Os refugiados sobreviventes são objeto do ódio promovido pela extrema-direita europeia, que vem apresentando grande crescimento desde a crise americana de 2008. Tal fenômeno versa sobre o nacionalismo do século XXI, entendido por Eric Hobsbawm através de 3 elementos: a existência de Estados falidos do pós-Guerra Fria, a globalização, e a xenofobia. Com Bauman, é possível entender não somente as consequências humanas do processo de globalização, mas também as hostilidades aos refugiados e os medos difusos estimulados na guerra ao terror. Boaventura de Souza Santos relaciona a globalização hegemônica neoliberal à crise das esquerdas e ao crescimento da extrema-direita. Este artigo analisa todas essas questões e problematiza o surgimento do AfD, na Alemanha, um novo partido de extrema-direita.

 

Palavras-chave: Refugiados; Globalização; Nacionalismo; Xenofobia; Extrema-Direita


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.33662/ctp.v0i28.9441

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

 

     

GET Grupo de Estudos do Tempo PresenteCidade Universitária Prof. José Aloísio de Campos Rod. Marechal Rondon, S/N - Sala 06 do CECH/DHI Bairro Rosa Elze - São Cistóvão/SE