“O SOLDADO É ALGO QUE SE FABRICA”: Notas etnográficas sobre um curso de formação policial militar

  • Fábio Gomes de França Centro de Educação da PMPB

Resumo

O objetivo deste artigo é descrever parte dos dados etnográficos obtidos durante uma pesquisa realizada no ano de 2011, no Centro de Formação da Polícia Militar do Estado da Paraíba. Por meio da observação direta e participante e da aplicação de entrevistas semiestruturadas com alunos policiais, acompanhei o cotidiano da formação profissional no Curso de Formação de Oficiais (CFO), o qual se trata de um Bacharelado em Segurança Pública, que ocorre durante um período de três anos. Ao final, as observações e entrevistas realizadas me fizeram melhor compreender como funciona o processo de socialização dos futuros policiais militares, os quais, enquanto alunos, vivenciam um regime pedagógico-profissionalizante baseado no disciplinamento corporal, psíquico e moral que pode ser visto como uma “fábrica” de novas identidades sociais caracterizadas pela obediência, resignação às regras da caserna e uniformidade de comportamentos.

Palavras-chave: Formação PM. Etnografia. Disciplinamento. Controle. Militarismo.

Biografia do Autor

Fábio Gomes de França, Centro de Educação da PMPB
Pós-Doutor em Direitos Humanos pela UFPB. Doutor e mestre em Sociologia pela UFPB.

Referências

ALBUQUERQUE, Carlos Linhares de; MACHADO, Eduardo Paes. “Sob o signo de Marte: Modernização, ensino e ritos da instituição policial militar”. Sociologias, nº 5, pp. 214-237, 2001.

BELLAING, Cédric Moreau de. Comment la violence vient aux policiers. École de police et enseignement de la violence legitime. Genèses, 2, n. 75, p. 24-44, 2009. Disponível em: https://www.cairn.info/revue-geneses-2009-2-page-24.htm. Acesso em: 18 ago 2018, às 18:00 horas.

BRAGA, Élida Damasceno. Instituição policial militar: um campo de inquietações e contrastes no percurso de uma pesquisa sobre mulheres. In: NUMMER, Fernanda Valli; FRANÇA, Fábio Gomes de. Olhares sobre a polícia militar: questões metodológicas. Belém: GAPTA/UFPA, 2018. p. 167-188.

CASTRO, Celso. O espírito militar: um antropólogo na caserna. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2004.

______. Em campo com os militares. In: CASTRO, Celso; LEIRNER, Piero (Orgs.). Antropologia dos militares: reflexões sobre pesquisa de campo. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2009. p. 13-30.

CLPM. Consolidação de Leis da Polícia Militar. João Pessoa-PB: s. e., 2004.

DA MATTA, Roberto. O ofício de etnólogo, ou como ter “Anthropological Blues”. In:______. NUNES, Édson de Oliveira. A aventura sociológica: objetividade, paixão, improviso e método na pesquisa social. Rio de Janeiro: Zahar, 1978. p. 23-35.

______. O que faz o brasil, Brasil? Rio de Janeiro: Rocco, 1986.

______. Carnavais, malandros e heróis: para uma sociologia do dilema brasileiro. Rio de Janeiro: Editora Guanabara, 1990.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: história das violências nas prisões. Rio de Janeiro: Vozes, 1987.

______. História da sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

______. Discipline and punish: the birth of the prison. New York: Second Vintage Books Edition, 1995.

Autor (2012).

GOFFMAN, Erving. Manicômios, prisões e conventos. São Paulo: Perspectiva, 2007.

GIDDENS, Anthony. Modernidade e identidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2002.

HUGGINS, Martha K.; HARITOS-FATOUROS, Mika; ZIMBARDO, Philip G. Operários da violência: policiais torturadores e assassinos reconstroem as atrocidades brasileiras. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2006.

JANOWITZ, Morris. O soldado profissional: um estudo social e político. Rio de Janeiro: Edições GRD, 1967.

LEIRNER, Piero de Camargo. Meia-volta volver: um estudo antropológico sobre a hierarquia militar. Rio de Janeiro: Editora FGV, 1997.

______. Sobre “nomes de guerra”: classificação e terminologia militares. Etnográfica, v. 12, n. 1, p. 195-2014, 2008.

MINISTÉRIO DA DEFESA. Exército Brasileiro. Estado-Maior do Exército. Manual de campanha: ordem unida (C 22-5). 3 ed. 2000.

NUMMER, Fernanda Valli. Ser polícia, ser militar: O curso de formação na socialização do policial militar. Niterói: EdUFF, 2014.

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DA PARAÍBA. Centro de Ensino. Norma educacional nº 008, de 06 de março de 2009. Rege sobre o corte de cabelos e unhas, uso de maquiagem e adornos. Boletim interno nº 0076, de 13 out. 2009. p. 783-787.

______. Decreto nº 8.962, de 11 de março de 1981.

RUDNICKI, Dani. A formação social de oficiais da polícia militar: análise do caso da Academia da Brigada Militar do Rio Grande do sul. 2007. Tese (Doutorado em Sociologia), Porto Alegre - Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 2007. 365 f.

SÁ, Leonardo Damasceno de. Os filhos do Estado: Auto-imagem e disciplina na formação dos oficiais da polícia militar do Ceará. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2002.

SILVA, Agnaldo José da. Praça Velho: um estudo sobre o processo de socialização policial militar. 2002. Dissertação (Mestrado em Sociologia), Goiânia - Universidade Federal de Goiás. 2002.

SILVA, Robson Rodrigues da. Entre a caserna e a rua: o dilema do “pato”: uma análise antropológica da instituição policial militar a partir da Academia de Polícia Militar D. João VI. Niterói: Editora da UFF, 2011.

TOBIAS, Amanda Freitas dos Santos. A (trans)formação de oficiais da Polícia Militar de Sergipe. 2014. Dissertação (Mestrado em Educação), Aracaju - Universidade Federal de Sergipe. 2014. 127 f.

VELHO, Gilberto. “Observando o familiar”. In: Individualismo e cultura: notas para uma antropologia da sociedade contemporânea. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1981.

WRIGHT MILLS, C.. A elite do poder. 4ª ed. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1981.

Publicado
2019-01-03
Como Citar
França, F. G. de. (2019). “O SOLDADO É ALGO QUE SE FABRICA”: Notas etnográficas sobre um curso de formação policial militar. Revista TOMO, (34), 359-392. https://doi.org/10.21669/tomo.v0i34.10378
Seção
ARTIGOS