O amor como significação: para uma sociologia da individualização

Esboço De Uma Analítica De Relacionamentos Afetivos Na Contemporaneidade.Esboço De Uma Analítica De Relacionamentos Afetivos Na Contemporaneidade.

  • Túlio Rossi UFU
Palavras-chave: amor, cultura, contemporaneidade, individualidade

Resumo

Apresenta-se uma proposta analítica do amor erótico a partir da sociologia, relacionando-o a modos e discursos de produção da si na atualidade. Tal proposta integra minha atual pesquisa que objetiva analisar, em sua dimensão cultural e simbólica, os processos de individualização contemporâneos. Estabelecendo conexão com trabalhos anteriores, o amor desponta como importante elemento de reconhecimento e validação de si, sendo analisado enquanto tipo específico de significação, tanto de experiências, quanto de gestos; relações e sentimentos, culminando na produção de um sentido reiterativo da individualidade dos amantes. Entende-se que há uma relação recíproca entre a cultura individualista e os ideais amorosos contemporâneos de modo a extrapolar o subjetivismo associado a esses temas, constituindo, portanto, objeto relevante de pesquisa sociológica.

Referências

Bauman, Zygmunt. Amor líquido: sobre a fragilidade dos laços humanos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.
Beck, Ulrich; Beck-Gernsheim, Elisabeth. O caos totalmente normal do amor. Petrópolis: Vozes, 2017.
________. Individualization: Institucionalized individualism anda its social and political consequences. London: SAGE Publications, 2002.
Chaumier, Serge. La déliaison amoureuse. Paris: Armand Colin, 1999.
Elias, Norbert. A sociedade dos indivíduos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1994.
Giddens, Anthony. A Transformação da Intimidade. São Paulo: UNESP, 1992.
__________. Modernidade e Identidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2002.
Goffman, Erving. A representação do Eu na vida cotidiana. Petrópolis: Vozes, 2005.
Honneth, Axl. Luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. São Paulo: 34, 2003.
Jardim, Maria. Chaves. A construção social do mercado de afeto: o caso das agências de casamento em contexto de consolidação dos aplicativos. In: REPOCS, v. 18, n.1, 2021, p. 43-62.
Lahire, Bernard. O homem plural: os determinantes da ação. Petrópolis: Vozes, 2002.
Martins, José de Souza. O senso comum e a vida cotidiana. Tempo Social, v.10, n.1, 1998, p. 1-8
Martuccelli, Danilo. La individuación como macrosociología de la sociedad singularista. In: Persona y Sociedad, v. XXIV, n. 3, 2010, p. 9-29.
________. Lecciones de sociologia del individuo. Lima: Universidad Católica Del Peru, 2007.
_______. O indivíduo, o amor e o sentido da vida nas sociedades contemporâneas. Estudos Avançados 30, (86), 2016, p. 147-165.
Menezes, Paulo. O cinema documental como representificação. In NOVAES, Sylvia Caiuby (org). Escrituras da Imagem. São Paulo: Edusp, 2004
Rossi, Túlio. O amor como significação: esboço de uma analítica sociológica. In: Bitencourt; Estevinho (Orgs.) Sociologia por Temáticas. Cuiabá: EDUFMT, 2021.
Rossi, Túlio. Uma sociologia do amor romântico no cinema: Hollywood: anos 1990 – 2000. São Paulo: Alameda, 2014.
Rougemont, Denis de. O amor e o Ocidente. Rio de Janeiro: Guanabara, 1988.
Shields, Stephanie A. Speaking from the heart: Gender and the Social Meaning of Emotion.Cambridge: University Press. 2002.
Simmel, G. Questões fundamentais em Sociologia. Rio de Janeiro: Zahar, 2006.
__________. As grandes cidades e a vida do Espírito (1903). Mana, n. 11, v. 2, 2005, p. 577-591.
Solomon, Robert. About love – reinventing romance for our times. Lanham: Rowman & Littlefield, 1994.
Sorlin, Pierre. Sociologie du cinéma. Paris: Aubier Montaigne, 1982.
Weber, Max. Economia e Sociedade, v.I. Brasília: UNB, 2000.
________. A “Objetividade” do Conhecimento na Ciência Social e na Ciência Política. In: Ensaios sobre a teoria das ciências sociais. São Paulo: Centauro, 2008.
________. A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.
Publicado
2022-07-12
Como Citar
Rossi, T. (2022). O amor como significação: para uma sociologia da individualização : Esboço De Uma Analítica De Relacionamentos Afetivos Na Contemporaneidade.Esboço De Uma Analítica De Relacionamentos Afetivos Na Contemporaneidade. Revista TOMO, (41), 61-86. https://doi.org/10.21669/tomo.vi41.17444
Seção
DOSSIÊ