A uberização do amor

aplicativos de encontros em cenário tecnoliberal e pandêmico

  • Larissa Pelucio Unesp
Palavras-chave: Aplicativos para relacionamentos; uberização; neoliberalismo; amor romântico; Pandemia Covida-19

Resumo

Neste artigo apresento e discuto de forma ensaísta os impactos do neoliberalismo conservador para as relações erótico-amorosas mediadas pelos aplicativos móveis para relacionamentos, os efeitos da crise sanitária da Covid-19 na busca por parcerias e como a dimensão afetivo-sexual encontra paralelos no presente com a esfera do trabalho precarizado de motoristas e entregadores de aplicativos, a chamada uberização do trabalho. Inspirada pelas proposições recentes da socióloga Eva Illouz busco o cruzamento entre capitalismo, afetos e a relação entre sexo e tecnologia, como componentes de uma nova forma de (não) sociabilidade. Assumo que o amor é uma força política que se encontra colonizada pelos discursos reiteradores do amor romântico. Um tipo de amor alicerçado na desigualdade de gênero, no individualismo e no consumo de emoções e produtos.

 

Referências

ABÍLIO, Ludmila Costhek. Uberização: a era do trabalhador just-in-time? Estudos avançados, v. 34, p. 111-126, 2020.
ABÍLIO, Ludmila Costhek. Breque no despotismo algorítmico: uberização, trabalho sob demanda e insubordinação. Blog Boi da Tempo, 30/07/2020a. Disponível em: https://blogdaboitempo.com.br/2020/07/30/breque-no-despotismo-algoritmico-uberizacao-trabalho-sob-demanda-e-insubordinacao/. Última consulta em 27/03/2022.
ABÍLIO, Ludmila Costhek et al. Condições de trabalho de entregadores via plataforma digital durante a Covid-19. Revista Jurídica Trabalho e Desenvolvimento Humano, v. 3, 2020.
ABÍLIO, Ludmila Costhek. Uberização: Do empreendedorismo para o autogerenciamento subordinado. Psicoperspectivas, v. 18, n. 3, p. 41-51, 2019.
ANDRADE, Adriana García. El amor como problema sociológico. Acta sociológica, v. 66, p. 35-60, 2015.
BALLESTRIN, Luciana. O debate pós-democrático no século XXI. Revista Sul-Americana de Ciência Política, v. 4, n. 2, p. 149-164, 2018.
BALIEIRO, Fernando de Figueiredo. O match entre o amor e o mercado: uma análise antropológica das masculinidades em aplicativos de relacionamento. Cadernos Pagu (62), 2021 1:e216225.
BERNARDO, Aristides Ariel. "Deslize pro lado contrário da tua orientação política”: emoções e polarização político-ideológica nas experiências afetivo-sexuais mediadas pelo aplicativo Tinder. Dissertação (Mestrado em Sociologia) Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes da Universidade Federal da Paraíba, 2021.
BEZERRA, Mariany Alves; MOZZATO, Anelise Rebelato. Gamificação nas organizações: uma revisão de literatura. Revista UFG, v. 21, 2021.
CABANAS, Edgar; ILLOUZ, Eva. Happycracia – Fabricando cidadãos felizes. Tradução Humberto do Amaral. São Paulo, Ubu Editora. Edição do Kindle. 2022.
CANNAS, Fábio. A Uberização do Trabalho Frente à Pandemia De Covid-19 no Brasil. Revista Direitos, Trabalho e Política Social, v. 7, n. 13, p. 198-221, 2021.
CEPEDISA, COENCTAS. Direitos na pandemia mapeamento e análise das normas jurídicas de resposta à covid-19 no Brasil, Boletim 10, São Paulo, 20/01/2021.
CORREIA, Flávia; SOARES, Lucas. Reflexo da pandemia: compras em aplicativos crescem 40% em 2021. Olhar Digital, 03/04/2021. Disponível em: https://olhardigital.com.br/2021/04/03/internet-e-redes-sociais/reflexo-da-pandemia-compras-em-aplicativos-cresce-40-em-2021/. Último acesso em 13/10/2021.
DEL CARMEN, Gabriela. Apps de namoro crescem na pandemia; conheça os 7 melhores. Forbs Tech. 11 de junho de 2021. Disponível em: https://forbes.com.br/forbes-tech/2021/06/apps-de-namoro-crescem-na-pandemia-conheca-os-7-melhores/. Último acesso em 12/10/2021.
DE SOUZA ALVES, Leonardo. Queda do Desempenho Sexual em Homens e Mulheres Durante a Pandemia do Novo Coronavírus-Covid-19. Revista Urominas - 2318-002. 2020.
ENGELS, Friedrich. A origem da família, da propriedade privada e do Estado. Clube de Autores, 2009.
FERREIRA, Mara, ALDELMAN, Miriam. O sentimento amoroso na vida das mulheres solteiras. Mimeo. Sem data.
FIORE, Matheus. Pandemia aumenta em 75% a procura de aplicativos de saúde. B9 -Tech. 08 de junho de 2021. Disponível em: https://www.b9.com.br/145331/pandemia-aumenta-em-75-a-procura-de-aplicativos-de-saude/. Última consulta em 13/10/2021.
HOBSBAWM, Eric. A era das revoluções: 1789-1848. Editora Paz e Terra, 2015.
INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Número de desempregados chega a 14,1 milhões no trimestre até outubro. Agência IBGE, 29 dez. 2020. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia--de-noticias/noticias/29782-numero-de-desempregados-chega-a--14-1-milhoes-no-trimestre-ate-outubro. Última consulta em 12/10/2021.
ILLOUZ, Eva. La Fin de l'amour. Enquête sur un désarroi contemporain. Média Diffusion, 2020.
ILLOUZ, Eva. L’insoutenable légèreté du capitalisme vis-à-vis de notre santé, par Eva Illouz. L’OBS, 23/03/2020. Disponível em: https://www.nouvelobs.com/idees/20200323.OBS26443/l-insoutenable-legerete-du-capitalisme-vis-a-vis-de-notre-sante-par-eva-illouz.html. Última consulta em 30/03/2022.
ILLOUZ, Eva. “Don’t Be My Valentine: Are Couples Becoming a Thing of the Past”? Haaretz, Israel. 2013. Disponível em: https://www.haaretz.com/.premium-don-t-be-my-valentine-is-coupledom-passe-1.5229897. Última consulta em 29/03/2022.
ILLOUZ, Eva. ¿Por qué duele el amor? Una explicación sociológica. Traducción de María Victoria Rodil. Buenos Aires: Katz, 2012.
JABOIS, Manuel, “O amor é química. Os algoritmos começam a falhar quanto mais complexa é a pessoa”. El País – Brasil, 03/12/2021. Disponível em: https://brasil.elpais.com/ciencia/2021-12-03/o-amor-e-quimica-os-algoritmos-comecam-a-falhar-quanto-mais-complexa-e-a-pessoa.html (Última consulta em 26/03/2022).
DA SILVA JUNIOR, Alcidesio O.;DA SILVA, Jeane Felix; COUTO, Edvaldo Souza. Amor, sexo e distância física. Revista Educação em Questão, v. 58, n. 58, 2020.
LACERDA, Vinícius. Questão de gosto: o racismo, a homofobia e a gordofobia nos aplicativos de relacionamento. Carta Capital, 09/12/2019. Disponível em: https://www.cartacapital.com.br/blogs/saudelgbt/questao-de-gosto-o-racismo-a-homofobia-e-a-gordofobia-nos-aplicativos-de-relacionamento/ . Última consulta em 27/03/2022.
LORITE, Jaime. Quem tem as duas doses é um partidão e tudo que mudou no Tinder nos tempos de máscara. El País, 06/08/2021. Disponível em: https://brasil.elpais.com/cultura/2021-08-06/quem-tem-as-duas-doses-e-um-partidao-e-tudo-o-que-mudou-no-tinder-nos-tempos-de-mascara.html. Última consulta em 27/03/2022.
MISKOLCI, Richard. Batalhas morais: política identitária na esfera pública técnico-midiatizadora. Autêntica Editora, 2021.
PELÚCIO, Larissa. O amor em tempos de aplicativos: notas afetivas e metodológicas sobre pesquisas com mídias digitais, IN PELÚCIO, Larissa, PAIT, Heloísa, TEIXEIRA, Tiago. No Emaranhado da Rede. São Paulo, Annablume/Fapesp. 2015.
PELÚCIO, Larissa. Amor em tempos de aplicativos: Masculinidades heterossexuais e a nova economia do desejo. São Paulo: Annablume, 2019.
POELL, Thomas; NIEBORG, David; VAN DIJCK, José. Plataformização. Fronteiras-estudos midiáticos, v. 22, n. 1, p. 2-10, 2020.
PRIMO, Alex. Afetividade e relacionamentos em tempos de isolamento social: intensificação do uso de mídias sociais para interação durante a pandemia de COVID-19: Comunicação & Inovação, v. 21, n. 47, 2020.
MOROZOV, Evgeny. Big Tech. São Paulo: Ubu Editora, 2018.
REUTERS. País lidera downloads de aplicativos de e-commerce na pandemia. R7, 14/09/2021. Disponível em: https://noticias.r7.com/economia/pais-lidera-downloads-de-aplicativos-de-e-commerce-na-pandemia-14092021. Último acesso em 13/10/2021.
REVISTA ARCO JORNALISMO CIETÍFICO E CULTURAL. Setembro amarelo: solidão na pandemia Estudo que contou com a participação de pesquisador da UFSM investiga o impacto das relações sociais nos pensamentos sobre suicídio dos brasileiros, UFMS, 10/09/2021. Disponível em: https://www.ufsm.br/midias/arco/setembro-amarelo-solidao-pandemia/. Última consulta em 30/03/2022.
RUSSO, Sandra. La reinvención del amor. Penguin Random House Grupo Editorial Argentina. Edição do Kindle. 2020.
SHEARING, Hanzel. Pandemia mudou modo como pessoas dão 'match', diz chefe do Tinder. BBC News Brasil, 22/06/2020. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/geral-57575906Última consulta em 30/03/2022.
SOLANO, Esther. O ódio como política: A reinvenção das direitas no Brasil. São Paulo, Boitempo. 2018.
VASCONCELOS, Mário Fellipe Fernandes Vieira; PELÚCIO, Larissa Maués. Amor em tempos de aplicativo: entrevista com a antropóloga Larissa Pelúcio. Cadernos de Campo (São Paulo-1991), v. 29, n. 2, p. e175150-e175150, 2020.
VÉCRIN, Anastásia. Interview - Eva Illouz : «En amour, nous sommes devenus des machines évaluatives». Liberation, 13/02/2020. https://www.liberation.fr/debats/2020/02/13/en-amour-nous-sommes-devenus-des-machines-evaluatives_1778305/. Última consulta 27/09/2021.
Publicado
2022-07-12
Como Citar
Pelucio, L. (2022). A uberização do amor : aplicativos de encontros em cenário tecnoliberal e pandêmico. Revista TOMO, (41), 199-232. https://doi.org/10.21669/tomo.vi41.17480
Seção
DOSSIÊ