Abandono, solidão e desistência do amor

o racismo como elemento excludente de mulheres pretas no mercado do afeto

  • Maria Chaves Jardim
  • Renata Medeiros Paoliello
Palavras-chave: amor; afetividade de mulheres pretas; racismo; mercado de casamento.

Resumo

O artigo trata das desigualdades e hierarquias existentes no mercado do amor a partir do estudo de um público especifico, as mulheres pretas, quando buscamos identificar qual a mágica social (Bourdieu, 2004) que exclui essas mulheres do mercado do afeto. Em termos metodológicos, aplicamos questionários semiestruturados pelo google form e aplicamos presencialmente o mesmo questionário em um bairro popular de uma cidade do interior paulista.  Os dados indicam o racismo como a mágica social que cria barreira no mercado do afeto; indica, também, que as tomadas de posição afetiva dessas mulheres não se encaixam em nenhuma das quatro abordagens catalogadas por nós sobre o amor  (amor liquido, amor romântico, poliamor, amor confluente), chamando a atenção para novas teorias que possam dar conta da vivencia afetiva dessa população

Referências

Bibliografia
Atlas da violência 2019. Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Brasília: Rio de Janeiro: São Paulo
Bauman Z. Amor líquido: sobre a fragilidade dos laços humanos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2004.
Bourdieu, Pierre. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2019.
Bourdieu, Pierre. A produção da crença: contribuição para uma economia de bens simbólicos, Zouck, São Paulo, 4 edição, 2004.
Bourdieu, Pierre. A economia das trocas linguísticas. Perspectiva. 2011.
Berquó, E. Nupcialidade da população negra no Brasil. Campinas: NEPO /UNICAMP, 1987.
Carneiro, Suelaine. Mulheres em movimento. Estudos avançados. Revista do Instituto de Estudos Avançados. IPEA, USP, 17 (49), pg. 118, 2003.
Carneiro, Suelaine. Mulher negra: mulher negra; politica governamental e a mulher. São Paulo: Nobel, 198.
Carneiro, Suelaine. Mulheres negras e violência doméstica: decodificando os números. São Paulo, Gelédes, instituto da mulher negra, 2017.
Davis, Ângela. Heci Regina Candiani Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo, 2016.
Fanon, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. EDUFBA, 1ª edição – 2008.
Fernandes, Eliane Gamas. A cor do amor: o racismo nas vivências amorosas de mulheres negras. 2018. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Núcleo da Saúde, Universidade Federal de Rondônia, Porto Velho, RO, Brasil.
Fernandes. Florestan. A integração do negro na sociedade de classes, Editora Ática, 1978.
Giddens, Anthony. A transformação da intimidade: sexualidade, amor & erotismo nas sociedades modernas. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista 1993.
Giacomini, Sônia Maria. Ser escrava no Brasil, Revista Estudos Afro-Asiáticos, nº 15, Rio de Janeiro, 1998, pp.145-170
Gonzales, Lélia. "Racismo e sexismo na cultura brasileira". In: SILVA, L. A. et al. Movimentos sociais urbanos, minorias e outros estudos. Ciências Sociais Hoje, Brasília, ANPOCS n. 2, p. 223-244, 1983.
Gomes, Nilma Lino. Sem perder a raiz: corpo e cabelo como símbolos da identidade negra. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.
Hooks, bell. Vivendo de amor. In: Werneck, J. O livro da saúde das mulheres negras: nossos passos vêm de longe. Rio de Janeiro: Pallas: Criola, 2000, P.197.
IBGE –Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.
Nupcialidade, fecundidade e migração: resultados da amostra. Rio de Janeiro: IBGE, 2010. Disponível em <https://bi
blioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/98/cd_2010_nupcialidade_fecundidade_
migracao_amostra.pdf>. Acesso em: 13/01/2022
IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.
Tabela 3193: pessoas de 10 anos ou mais de idade, por estado civil, segundo o estado conjugal, a situação do domicílio, o sexo, a cor ou raça e os grupos de idade.
2010a. Disponível em <https://sidra.ibge.gov.br/tabela/3193#notas
-tabela>. Acesso em: 13/01/2022.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Síntese de Indicadores Sociais: Uma análise das condições de vida da população brasileira. Rio de Janeiro. 2020.

IPEA - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. 2013.

Illouz, Eva. O amor nos tempos do capitalismo. Rio de Janeiro: Zahar, 2011.
Jardim, Maria Chaves.; Moura, Paulo Carvalho. A construção social do mercado de dispositivos de redes sociais: a contribuição da sociologia econômica para os aplicativos de afeto. Revista TOMO. N. 30 JAN./JUN. | 2017
Jardim, Maria Chaves. Para além da fórmula do amor: amor romântico como elemento central na construção do mercado do afeto via aplicativos. Política & Sociedade - Florianópolis - Vol. 18 - Nº 43 - Set./Dez. de 2019.
Martucelli, Danilo. O indivíduo, o amor e o sentido da vida nas sociedades contemporâneas.
As Ciências Sociais E A Procura De Sentido • Estud. av. 30 (86) • Jan-Apr 2016.
Mizael, Táhcita Medrado; Barrozo, Sarah Carolinne Vasconcelos; Hunziker, Maria Helena Lei. A solidão da mulher negra: uma revisão da literatura. Universidade de São Paulo, Instituto de Psicologia, São Paulo, SP, Brasil Revista da ABPN, v. 13, n. 38, 2021 p.212-239.
Nascimento, Beatriz. A mulher negra e o amor. Jornal Maioria Falante. Fevereiro – Março – 1990.
Oliveira, Mariana Barbosa de. “Solidão afetiva” da mulher negra:: Um estudo sobre família, raça e gênero. 2019. Monografia de final de curso. Universidade Federal de Fluminense. Niteroi, 2019.
Oliveira, Ilzver de Matos; Santos, Nayara Cristina Santana. Solidão tem cor? Uma análise sobre a afetividade das mulheres negras. Interfaces Científicas - Humanas e Sociais. Aracaju • V.7 • N.2 • p. 9 - 20 • Out. 2018
Pacheco, Ana Cláudia Lemos. Mulher negra: afetividade e solidão. EDUFBA, 2013
Pacheco, Ana Claudia Lemos. “Branca para casar, mulata para foder, negra para trabalhar”: escolhas afetivas e significados de solidão entre mulheres negras em Salvador, Bahia. 2008. Tese (Doutorado) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas.
Pacheco, Ana Cláudia Lemos. Raça, gênero e relações sexual-afetivas na produção bibliográfica das ciências sociais brasileiras – um diálogo com o tema. Afro-Asia, número 034, 2006. Universidade Federal da Bahia, Brasil.
Petruccelli, José Luiz. Seletividade por cor e escolhas conjugais no Brasil dos 90. Estudos Afro-Asiáticos, Ano 23, nº 1, 2001, pp. 29-51.
Pilão, A. C.; Goldenberg, Mirian. Poliamor e Monogamia: Construindo Diferenças e Hierarquias. Ártemis, Rio de Janeiro, V. 13, n., janeiro de 2012. Semestral. Disponível em: http://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/artemis/article/viewFile/14231/8159 Acesso em: 23 jul. 2014.

Pelúcio, Larissa. Afetos, mercado e masculinidades contemporâneas: notas inicias de uma pesquisa em dispositivos móveis para relacionamentos afetivos/sexuais. Contemporânea – Revista de Sociologia da UFSCar, v. 6, n. 2, jul.-dez. p. 309-33, 2017.

Rossi, Túlio. Projetando a subjetividade: a construção social do amor a partir do cinema. 2013. 326f. Tese (Doutorado em Sociologia) – Universidade de São Paulo
Raquel, S. Neurociência do amor. UFJF, 2021. Disponível em: https://www.ufjf.br/lanc/2021/02/04/neurociencia-do-amor/. Acessado em 16 de novembro 2021.

Reik, T. (1944). A psychologist looks at love New York: Farrar & Rinehart.

Sternberg, R. J. Construct validation of a triangular love scale. European Journal of Social Psychology, v. 27, p. 313-335, 1997.

Silva, Amanda Raquel da. A cor das relações: corpo, idade e afetividade na experiência de mulheres negras em um bairro de Natal/RN, 2019. 159f. Dissertação (mestrado) - Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Silva. Maria Nilza da. Mulher megra. Revista Espaço academico. Ano II, n. 22, março de 2003. Disponivel em A mulher negra | blog da Revista Espaço Acadêmico (wordpress.com). acesso em janeiro de 2022.

Souza, Thaís Caetano. As crenças sobre o amor na telenovela “Espelho da Vida” da Rede Globo: uma análise através da Sociologia Relacional de Pierre Bourdieu. Monografia de Conclusão de Curso apresentada ao Conselho de Curso de Ciências Sociais, da Faculdade de Ciências e Letras – Unesp/Araraquara, como requisito para obtenção do título de Bacharel em Ciências Sociais. Araraquara, p. 58, 2021.
Souza, Claudete Alves da Silva. A solidão da mulher negra: sua subjetividade e seu preterimento pelo homem negro na cidade de São Paulo (Mestrado em Ciências Sociais). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo 2008.
Souza, Neusa Santos. Tornar-se negro. Rio de Janeiro: Edições Graal Ltda, 1983.
Vandenberghe, Frederic. Amando o que conhecemos: notas para uma epistemologia histórica do amor. Ciências Sociais Unisinos 42(1):65-71, jan/abr 2006.
Publicado
2022-07-12
Como Citar
Jardim, M. C., & Medeiros Paoliello, R. (2022). Abandono, solidão e desistência do amor: o racismo como elemento excludente de mulheres pretas no mercado do afeto . Revista TOMO, (41), 87-126. https://doi.org/10.21669/tomo.vi41.17483
Seção
DOSSIÊ