A noção de alma gêmea no seriado “Osmosis

  • Nayara Baiochi

Resumo

Originalmente impulsionado pela questão “Quais são os impactos da
tecnologia na forma de viver e conceber o amor no momento contemporâneo?”, este artigo é voltado à análise do episódio ‘O teste’ do
seriado francês “Osmosis” (2019) a partir de uma abordagem sociológica baseada nas ferramentas metodológicas anunciadas por Pierre
Sorlin, isto é, procurou-se atentar para os elementos expressivos do
audiovisual de modo a discutir como estão construídas noções que se
mostraram centrais na estrutura do episódio em questão, sejam elas
as concepções de amor, alma gêmea e tecnologia. Além da investigação
voltada para a compreensão dessas noções separadamente, procurou-
-se também compreender como o vínculo entre elas está elaborado na
trama, bem como as implicações daí advindas.

Referências

Abbagnano, N. Dicionário de Filosofia. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2002.
Berlin, I. Raízes do Romantismo. São Paulo: Três Letras, 2015.
Bauman, Z. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.
Beck, U.; Beck-Gernsheim, E. The normal chaos of love. Nova Jersey: John Wiley & Sons, 2018.
Giddens, A. A transformação da intimidade: sexualidade, amor e erotismo
nas sociedades modernas. São Paulo: UNESP, 1992.
Goethe, J. As afinidades eletivas. São Paulo: Cia das Letras, 2014.
Lasch, C. A Cultura do narcisismo: a vida americana numa era de esperanças
em declínio. Rio de Janeiro: Imago, 1983.
Lipovetsky, G. La tercera mujer. Permanencia y revolución de lo feminino.
Barcelona: Anagrama, 1999.
________. Os tempos hipermodernos. São Paulo: Barcarolla, 2004.
Platão. O Banquete. Pará de Minas: M&M Editores Ltda, 2003.
Simmel, G. Fragmentos sobre o amor; O papel do dinheiro nas relações entre os
sexos – fragmento de uma filosofia do dinheiro; Psicologia do coquetismo. In:
Filosofia do Amor. São Paulo: Martins Fontes, 1993, p. 41-66, 93-112, 113-174.
Shorter, E. Naissance de la famille moderne. Paris: Senil, 1977.
Viveiros de Castro, E.; Benzaquem de Araujo, R. Romeu e Julieta e a origem do
Estado. In: Velho, G. Arte e sociedade: ensaios de sociologia da arte. Rio de
Janeiro: Zahar Editores, 1977.
Weber, M. A ciência como vocação. In Weber, M. Três tipos de poder e outros
escritos. Lisboa: Tribuna da História, 2005.
Publicado
2022-07-12
Como Citar
Baiochi, N. (2022). A noção de alma gêmea no seriado “Osmosis. Revista TOMO, (41), 233-274. https://doi.org/10.21669/tomo.vi41.17860
Seção
DOSSIÊ