Para que serve a história? Depende de a qual fim se preste a narrativa histórica

  • José Ferreira Júnior Autarquia Educacional de Serra Talhada - PE (AESET) Faculdade de formação de Professores de Serra Talhada - Fafopst
  • Janaina Freire dos Santos Autarquia Educacional de Serra Talhada - PE (AESET) Faculdade de Formação de Professores de Serra Talhada - FAFOPST

Resumo

Este texto tem como objetivo promover discussão acerca da serventia da História, enquanto matéria-prima que serve ao historiador na construção de narrativas. São mostrados três exemplos, nos quais se verifica como pode ser a História, traduzida em narrativa, elemento de satisfação de interesses. Conclui-se que, ainda que se verifique nos dias atuais discurso desqualificador direcionado às Ciências Humanas, onde se abriga a História, esta se revela instrumento que, a depender do uso feito pelo historiador, poderá ser direcionada para fins determinados, promotores de benesses ou não, quando se trata de verdade histórica.

 

Palavras-chave: História, historiador, serventia.

Biografia do Autor

José Ferreira Júnior, Autarquia Educacional de Serra Talhada - PE (AESET) Faculdade de formação de Professores de Serra Talhada - Fafopst
Graduado e especialista em História; Mestre e Doutor em Ciências Sociais (Sociologia); Mestrando em Ensino de História. Professor efetivo da Autarquia Educacional de Serra Talhada, lotado na FAculdade de Formação de Professores de Serra Talhada - Fafopst, departamento de História; Pesquisa memória lampiônica no Médio Pajeú e as ações dos produtores culturais;
Janaina Freire dos Santos, Autarquia Educacional de Serra Talhada - PE (AESET) Faculdade de Formação de Professores de Serra Talhada - FAFOPST
Graduada e especialista em História e Sociologia; Mestre e Doutora em Ciências Sociais (Sociologia);  Professora da Autarquia Educacional de Serra Talhada, lotada na Faculdade de Formação de Professores de Serra Talhada - Fafopst, departamento de História; Pesquisa Cultura, política e desenvolvimento.

Referências

ABREU, Capistrano de. Necrológio de Varnhagen. In: Ensaios e estudos: crítica e história. Rio de Janeiro/Brasília. Civilização Brasileira/INL. 1975.

BARATA, M. A obra de Martius e a sua presença na cultura brasileira. In: II Colóquio de Estudos Teuto-Brasileiros. Recife. UFPE. 1974.

BARROS, José de A. Teoria e Formação do Historiador. Petrópolis – RJ. Vozes. 2017.

BLOCH, Marc. Apologia da História ou O Ofício do Historiador. Rio de Janeiro. Jorge Zahar. 2002.

BORGES, Vavy P. Que é História. São Paulo. Brasiliense. 2006.

CANABRAVA, A. P. Apontamentos sobre Varnhagen e Capistrano. Revista de História. São Paulo. USP. 1971.

CARR, Edward H. Que é História? São Paulo. Paz e Terra. 2002.

CERTEAU, Michel de. A Escrita da História. Rio de Janeiro. Forense Universitária. 2007.

CHIAVENATO, Julio J. Cangaço: a força do coronel. São Paulo. Brasiliense. 1990.

DUMOULIN, Oliver. O papel social do historiador: da cátedra ao tribunal. Belo Horizonte. Autêntica. 2017.

FACÓ, Ruy. Cangaceiros e Fanáticos: gênesis e lutas. Rio de Janeiro. Civilização Brasileira. 1983.

FERREIRA JÚNIOR, José. A apropriação da memória lampiônica como elemento de construção da identidade de Serra Talhada. Dissertação. PPGCS / UFCG. Campina Grande – PB. 2010.

FERREIRA JÚNIOR, José; SOARES, Cristiano E de C. O papel da mídia na invenção e venda da memória lampiônica em Serra Talhada – PE. XV Encontro de Ciências Sociais do Norte e Nordeste e Pré-ALAS Brasil. UFPI. Teresina – PI. 2012. Disponível em http://www.sinteseeventos.com.br/ciso/anaisxvciso/resumos/GT14-07.pdf;

FERREIRA JÚNIOR, José. Serra Talhada X Triunfo: a disputa da memória de Lampião no médio Pajeú pernambucano. PPGCS / UFCG. Tese. Campina Grande – PB. 2014.

FERREIRA JÚNIOR, José; SANTOS, Janaina F dos. Proximidade geográfica, distância conceitual: concepções de produtores culturais sobre a memória lampiônica nas cidades de Serra Talhada e Triunfo – PE. Ponta de Lança: Revista Eletrônica de História, Memória & Cultura. v. 12, n. 22, p. 93 - 106, jul. 2018. ISSN 1982-193X. Disponível em: https://seer.ufs.br/index.php/pontadelanca/article/view/9296;

FONSECA, Thais N de L. História & Ensino de História. 3. Ed. Belo Horizonte. Autêntica Editora. 2011.

GUEIROS. Optato. Lampião: memórias de um oficial ex-comandante de forças volantes. Recife: s.ed. 1953.

HOBSBAWM, Eric; RANGEL, Terence. A Invenção das Tradições. São Paulo. Paz e Terra. 2007.

LEVI, Giovanni. O Trabalho do Historiador: pesquisar, resumir, comunicar. Revista Tempo. 2014. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/tem/v20/pt_1413-7704-tem-20-20143606 Acesso em 20 de setembro de 2014.

MELLO, Frederico P de. Guerreiros do Sol: violência e banditismo no Nordeste do Brasil. São Paulo. Girafa. 2004.

ODÁLIA, Nilo. Varnhagen. São Paulo. Ática. 1979.

PERICÁS, Luiz B. Cangaceiros: ensaio de interpretação histórica. São Paulo. Boitempo. 2010.

QUEIROZ. Maria I. P. de. Os Cangaceiros. São Paulo. Duas Cidades. 1977.

REIS, José C. História & Teoria: historicismo, modernidade, temporalidade e verdade. Rio de Janeiro. FGV. 2006

REIS, José C. As Identidades do Brasil: de Varnhagen a FHC. Rio de Janeiro. FGV. 2007.

SÁ. Antônio F. de A. O Cangaço entre a história e a memória. In: Dossiê, práticas culturais e identidades. Revista Tempos Históricos. Volume 09. 2º semestre. Marechal Cândido Rondon. 2006.

SCHWARTZENBERG. Roger G. O Estado Espetáculo. Rio de Janeiro. Difel. 1978.

SOUZA, Anildoma W de. Lampião: nem herói, nem bandido – a história. Serra Talhada. Sertagráfica. 2007.

WEBER, Max. Economia e Sociedade. Brasília. UnB. 2012.

SITES CONSULTADOS

Associação Brasileira de Anistiados Políticos (ABAP). In <<https://anistiapolitica.org.br/abap3/2014/03/31/historia-historiador-e-a-comissao-da-verdade-50-anos-que-ainda-tem-muito-a-ser-revelado-ou-nao/>> Acesso em 13/10/2019;

Publicado
2020-02-07
Como Citar
JÚNIOR, J. F.; DOS SANTOS, J. F. Para que serve a história? Depende de a qual fim se preste a narrativa histórica. Ponta de Lança: Revista Eletrônica de História, Memória & Cultura, v. 13, n. 25, p. 61-80, 7 fev. 2020.